Canal de Entretenimento, filmes, lançamentos, trailers de cinema, notícias, trailers de jogos, programas de televisão, jogos pc, xbox, playstation.

Entrevista: Bebe Rexha dá detalhes do álbum novo e de sua experiência com o pop country

0

googletag.cmd.push(function() { googletag.display(‘div-gpt-ad-1503295411004-13’); });

googletag.cmd.push(function() { googletag.display(‘div-gpt-ad-1503295411004-33’); });

(Foto: Getty Images. Uso autorizado POPline)

Bebe Rexha é uma cantora e compositora pop. Ninguém duvida disso. Mas a música que fez mais sucesso no álbum “All Your Fault” (lançado em duas partes, dois EPs) foi uma canção country. “Meant to Be”, com participação da dupla Florida Georgia Line, lhe alçou ao 11º lugar na Billboard Hot 100 e ao 1º lugar na parada country nos Estados Unidos. Além disso, a faixa se tornou seu maior sucesso na Austrália, onde recebeu certificado de platina dupla. A americana está desenvolvendo um álbum novo, “Expectations”, e já disse publicamente que visa apresentar um som mais baseado em violão – o que deixa muita gente em estado de alerta. Artistas como Lady Gaga, Beyoncé, Miley Cyrus e Justin Timberlake se aventuraram pelo country em seus discos mais recentes. Será que Bebe também está indo para esse lado? O POPline conversou com ela por telefone, em decorrência de sua vinda ao Brasil, e aproveitou para tirar essa dúvida.

Você está fazendo um álbum novo, certo?
Isso. Podemos chamar de meu primeiro álbum, já que o outro foi dividido em EPs. Ele se chamará “Expectations”. Já tenho muita coisa pronta, mas ainda há muito o que fazer. Minha pretensão é terminar ainda neste ano. Estou focada nisso.

googletag.cmd.push(function() { googletag.display(‘div-gpt-ad-1503295411004-15’); });

googletag.cmd.push(function() { googletag.display(‘div-gpt-ad-1503295411004-34’); });

Eu li que você está interessada em fazer um som mais baseado em violão. O que você pode nos contar sobre as músicas novas?
É verdade. As músicas novas são duronas. Eu digo o que quero, e como quero. São muito baseadas no violão, mas mesclado com o pop, eletrônico, hip-hop. Está ficando muito legal. Haverá muitas colaborações também.

Você pode dizer alguns nomes?
Não, ainda não. (risos) Desculpa!

Tudo bem, eu imaginei.
Sim, você tem que tentar. Ok!

googletag.cmd.push(function() { googletag.display(‘div-gpt-ad-1503295411004-16’); });

googletag.cmd.push(function() { googletag.display(‘div-gpt-ad-1506624692193-35’); });

Sua música com Florida Georgia Line, “Meant to Be”, se tornou um sucesso nas rádios e nas paradas voltadas para o gênero country. Você pretende continuar explorando esse estilo?
Eu gosto de ser diferente e desafiar os limites. Achei que seria muito legal fazer uma música pop country, apenas como um meio de me desafiar, e aí veio todo esse sucesso, o que foi muito louco. Superou tudo e se tornou uma grande música. Eu tenho escrito há um ano para o álbum novo. Posso dizer que não é country. É muito ‘eu’. É isso que vocês vão encontrar: ‘eu’.

googletag.cmd.push(function() { googletag.display(‘div-gpt-ad-1503295411004-17’); });

googletag.cmd.push(function() { googletag.display(‘div-gpt-ad-1503295411004-36’); });

“Expectations” não é menos pop, então?
Eu acho estranho quando dizem ‘mais pop’ ou ‘menos pop’. Não sei o que isso significa. Na minha carreira, eu fiz o que acreditava e tenho sido bem sucedida. Nesse álbum, desafio os limites de uma música, e quero que seja popular, claro. Posso dizer que o som é inspirado pelo No Doubt e Gwen Stefani, sabe? Mas também pelo R&B e por tudo que eu gosto.

Se você tivesse que comparar “All Your Fault” e “Expectations”, como você analisaria os dois?
Hum… Eu acho que “All Your Fault” é provavelmente um pouco mais urbano, o que fica claro nas participações: você tem 2 Chainz, G-Eazy… “Expectations” é mais baseado no meu lado cantora-compositora, mais alternativo.

(Foto: Getty Images. Uso autorizado POPline)

Além da composição para “Expectations”, Bebe Rexha também cumpre agenda de shows. Em março, ela desembarcará no Brasil para abrir os shows da Katy Perry com a “Witness: The Tour”. Serão apresentações em locais de grande porte: a Arena do Grêmio em Porto Alegre no dia 14, o Allianz Parque em São Paulo no dia 17, e o Parque Olímpico da Barra no Rio de Janeiro no dia 18.

O que você espera dessa vinda ao Brasil?
O que eu espero do Brasil? Pessoas bonitas, comida boa, temperatura agradável e muita diversão.

Na verdade, está muito calor aqui. Não sei se dá para chamar de temperatura agradável.
Muito calor? (risos) Ai meu Deus!

googletag.cmd.push(function() { googletag.display(‘div-gpt-ad-1503295411004-37’); });

E “Só Dá Tu”, hein? Como você conheceu?
Meus fãs ficaram me mandando a música. Eu googlei e fiquei ouvindo a música. Achei maravilhosa!

O que mais você conhece do Brasil?
Hum… Eu não sei muito. Eu ficaria feliz de conhecer quando estiver no Brasil.

Tem algo de especial que você queira fazer aqui?
Eu quero apoiar “Só Dá Tu” no Brasil! Ah, e as praias! Eu quero ir às praias.

Você vai abrir os shows da Katy Perry. O que você mais gosta em “Witness”, o álbum e a turnê?
Eu gosto da Katy Perry no geral. Ela fez coisas incríveis no mundo da música. Poder abrir os shows dela é muito legal e também uma honra. Esse álbum novo foi diferente, o que é muito legal. Eu amei isso.

Katy Perry foi uma das mulheres que se posicionaram contra Neil Portnow, presidente da Recording Academy, responsável pelo Grammy Awards, depois que ele fez declarações de teor machista sobre cantoras. Este é um tema que tem tocado bastante também a Bebe Rexha: o sexismo na indústria.

Você fez um tweet sobre desigualdade entre gêneros recentemente. Isso é um tema para suas músicas?
Eu acho que… eu… bem, eu percebo muito isso e tenho sentido necessidade de falar. Mas acho que minhas músicas não tratam explicitamente do tema. Mas ele está lá o tempo todo. Minhas músicas falam na cara, sem remorso, e acho que isso é algo que as mulheres precisam fazer. Desse jeito, a gente passa nossas mensagens. Então, não, não tenho uma música sobre desigualdade de gêneros, mas a artista que sou passa o tempo todo a mensagem de empoderamento feminino pela maneira como trabalho.

A maioria das suas parcerias são com homens. Você pensa em gravar com mais mulheres?
Sim. Eu já colaborei com mulheres, mas acho que isso acontece naturalmente… Eu não sei… Não sei porque trabalho mais com homens. Eles ouvem minhas músicas… Eu amaria trabalhar mais com mulheres. Minha vibe é totalmente “vamos celebrar as mulheres”*. Estou dentro, sempre que houver a oportunidade. Mas tem que ser orgânica.

*Bebe Rexha deu um exemplo disso no Grammy Awards, ao participar da performance de Kesha ao lado de Cyndi Lauper, Julia Michaels, Camila Cabello e Andra Day.

Com que mulheres você gostaria de unir vozes em uma música?
Cardi B está arrasando, Camila Cabello é incrível… Eu gostaria de fazer algo com elas.

Você fez “Back To You” com Louis Tomlinson. Com que outro membro do One Direction você gostaria de gravar?
Eu não sei. Eu acho que Liam Payne ou Harry Styles… O que acontecer… Tá, eu acho que o Liam Payne tem mais a ver. Poderia ser legal.

Para terminar, deixe uma mensagem para os fãs brasileiros.
Eu quero dizer obrigada por me mostrarem todo o apoio de vocês. Vocês têm sido absolutamente incríveis e mal posso esperar para chegar aí com a Katy Perry. Eu e meus fãs vamos nos divertir. Vai ser demais. Eu já amo o Brasil.

Fonte: Popline

Comentários
Carregando...